Páginas

29 de mar de 2010

Falso sequestro via fone

Falso sequestro via fone - 28/3/2010

Em Oliveira (27/03/10), às 14h10m, os militares compareceram a Rua Dr Carlos Bernades Costa, bairro Sinhaninha, onde a vitima, 56 anos, informou que havia recebido uma ligação no modo confidencial, onde alguém lhe exigia que adquirisse cartões telefônicos em troca de soltarem seu filho o qual haviam seqüestrado.

Com temor que o pior acontecesse, a vítima adquiriu dois cartões de operadora de telefonia celular no valor de R$17,00 e R$22,00, repassando o numero de segurança ao autor, somente percebendo que tinha sido vitima de um golpe, após contato com a PM.

Foi registrado o boletim de ocorrência para as medidas pertinentes.

Conforme o fato noticiado, temos observado que tem se tornado cada vez mais comum os golpes via telefone, Sabendo que a oportunidade é propiciada pela situação, vamos tentar dificultar a vida dos infratores, pois o azar ou sorte está mais ligado à previsibilidade e ao modo que nos preparamos, do que qualquer outra coisa. Não existe uma receita mágica que nos torne 100% seguro, existem atitudes que poderão nos ajudar. Por isso fique atento a este golpe:

O falso-seqüestro é uma das modalidades de golpes por telefone. Os marginais ligam, geralmente a cobrar, para uma pessoa escolhida aleatoriamente. A partir do momento em que a vítima em potencial aceita a chamada e a ligação é completada, começa a ser ameaçada. Do outro lado da linha alguém agressivo mente que um familiar da vítima está sendo feito refém. Tudo tem uma dose extra de realismo porque geralmente o marginal acaba levando a pessoa a confirmar detalhes do próprio familiar, causando confusão em quem está sendo ameaçado.

Acreditando que está realmente diante de um seqüestro, a vítima é levada a crer que se avisar à polícia ou entrar em contato com outros parentes, o suposto seqüestrado corre risco de ser morto. O pedido de resgate vem com a determinação do valor e a indicação de um número de conta bancária para depósito da quantia solicitada. Existe também pedido de compra de créditos telefônicos. A vítima não deve agir pelo impulso e sim tentar conversar com o parente supostamente seqüestrado e também avisar à polícia, para que providências possam ser tomadas e orientações sejam dadas.
A primeira orientação da Polícia Militar a vítimas de ameaças de falso seqüestro é que mantenham a calma. A partir disso, devem entrar em contato com o familiar supostamente seqüestrado para confirmar que ele esteja bem. Em seguida, a vítima deve ligar para o telefone de emergência da Polícia Militar que atende pelo número 190 e repassar informações que possam levar à prisão dos golpistas. Detalhes como número de conta corrente, forma de agir, como a ameaça está sendo feita ou até mesmo a origem das ligações são importantes para o banco de dados que a polícia está criando.

Caso você atenda uma ligação como esta, saiba como agir:

1- Quando ligarem para sua casa perguntando quem está falando, não responda enquanto a pessoa que ligou não se identificar. (É a forma que eles usam pra saber o nome das pessoas da casa, fazer uma ligação, perguntar o nome e fingir que é engano).

2- Pedir para filhos e para a família em geral sempre informarem onde estão e com quem estão, assim mesmo que eles não estiverem com celular, podem ser encontrados facilmente através dos amigos.

3- Alertar os filhos e estar alerta quanto aos lugares por onde anda, tomar cuidado com pessoas estranhas, etc.

4- Manter a calma no caso de uma possível ligação, exigir falar com a pessoa dita seqüestrada, no caso de uma recusa, desligar o telefone e tentar localizar a pessoa dita seqüestrada, para só então tomar outra atitude.

Segurança Pública é construída por todos, que somando responsabilidade, prudência e prevenção, torna viável a paz social que almejamos.

Polícia Militar, nossa profissão sua vida!

Um comentário:

Anônimo disse...

Engraçado, se não fosse trágico... Comigo ocorreu o golpe. Ao ver o post aqui, me senti amparado e feliz por saber que as instituições estão funcionando para o bem estar do cidadão. Bem, de posse dos dados do telefone do golpista, liguei para o 190. Qual foi a minha surpresa? O PM se mostrou desinteressado e mandou que eu procurasse a POLÍCIA CIVIL! Ora, no site da PC não há proselitismo sobre atuação da lei.